Descobrindo… o Oracle!

banco-de-dados-relacionais-16Antes de começar a falar sobre Oracle®, é muito importante falar sobre os bancos de dados propriamente ditos. Quando utilizado conforme o modelo plano, os bancos de dados servem apenas para armazenamento de dados brutos. É o caso de planilhas eletrônicas, como as criadas com o Excel ou Google Docs. O grande lance dos bancos de dados é quando são utilizados conforme o modelo relacional, onde as tabelas possuem relação umas com as outras, de forma que aqueles dados possam ser processados e, então, extrair informações importantes para as empresas. No final das contas, o conceito de banco de dados substitui a necessidade de ficar horas e horas fazendo cálculos matemáticos para chegar a informações que nem sempre são confiáveis, além de manter anos de histórico de tudo o que acontece na empresa.

oracle_database_logo-4f9eeec-listingImagine-se criando quinhentas planilhas em seu computador, que possuem relação entre si, ou seja, todas devem permanecer íntegras, pois a falta de uma pode comprometer todos os seus dados. Todas as vezes que precisar inserir algum dado, é preciso procurar em qual tabela deve ser incluído e em qual coluna. Não seria nada fácil gerenciar tudo isso manualmente. Por este motivo, surgem os Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados, ou SGBD. Um dos SGBDs mais utilizados mundialmente é o Oracle® Database.

A minha relação com o Oracle® iniciou-se quando entrei na empresa que trabalho hoje, que possui uma estrutura de bancos de dados que dificilmente é encontrado nas empresas. Como é uma Software House, e seu sistema atende diversos segmentos, há bancos de dados de clientes disponíveis para testes internos, ou seja, quando o sistema deve ser testado em um ambiente semelhante ao do cliente, são utilizados esses bancos para estas tarefas. Por conta disto, há uma demanda de administração do Oracle® na empresa e eu acabei gostando das tarefas.

ml-icon-pumpAs tarefas mais corriqueiras neste tipo de ambiente, são a importação e exportação dos bancos. Quando é preciso pegar um banco de dados inteiro de um cliente, o Oracle® fornece uma ferramenta, chamada de expdp, que exporta estes dados para um arquivo chamado Datapump, ou apenas Dump. Neste arquivo contém todas as tabelas e objetos do banco, que podem ser importados, com a ferramenta impdp, em qualquer outro Oracle® Database disponível. Outro procedimento necessário é o Backup dos bancos e uma das opções é gerar o Datapump, com o expdp, e armazená-lo em algum local seguro.

O banco de dados é uma vertente que me interessa muito dentro da TI e está entre as áreas que eu mais gostaria de me aprofundar. Ela ainda concorre com alguns outros assuntos, mas está nos meus planos decidir isto o quanto antes para a minha evolução profissional.

Quem quiser saber mais sobre este assunto, não deixe de entrar em contato comigo por aqui ou pelo Facebook. Ficarei feliz em ajudar no que eu puder.

Grande abraço e até logo!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.